28 de out de 2008

Minha história no Arquivo público

Depois de localizar alguns dos documentos em cartórios, fui ao Arquivo Público para ver se encontrava os que faltavam. Aproveitei para ver se existia no acervo os documentos que eu já havia encontrado, pois aí já fazia uma cópia simples, pois estou primeiro coletando as informações para ver se posso fazer a solicitação para depois ver certinho os documentos.

Então, numa semana enviei um e-mail com as datas certas de dois dos eventos e selecionando alguns livros de registro de óbito para pesquisar. Isso com uma semana de antecedência. É óbvio que no dia quase esqueci que tinha feito a reserva. Mas aos 45min do segundo tempo lembrei, e liguei para lá para garantir que que eles tinham separado os livros (visto que em uma semana as coisas mudam, e e-mails as vezes não funcionam). Mas me deram o ok que estava tudo separado.

Cheguei lá e perguntei como funcionava: Temos que deixar a bolsa nos armários e daí temos acesso à sala de pesquisa. Fui lá eu, bem sozinha, localizei meu nome e a pilha de livros que me dizia respeito. Esqueci de comentar, para um dos documentos eu não tinha a data, só o nome, neste caso fiz uma estimativa de quando o fato podia ter acontecido, o que me deu um intervalo de 10 anos. Logo, cheguei lá e havia uma pilhona de livros. Isso realmente me assustou.

Peguei o primeiro e comecei a folhear, página por página. Não achei nada, peguei o segundo... o terceiro... e nada.
Aí começou a doer o pescoço, e dar um certo pânico, principalmente porque lembrei da Lei de Murphy, e vi que aquele era apenas o terceiro livro...

Mas fui folheando, comecei nos mais recentes que eram digitados, quer dizer, datilografados (para ver como o mundo muda) e fui indo, vi que não era muito demorado embora eu tivesse muitos livros para ver.

Bem, acho q depois de uns 8 livros achei uma das certidões que eu queria. Foi bem interessante pois já estava desanimando, pensando que teria que voltar outro dia, que seria impossível, aí olho, e lá estava ela, no meio de um monte de ácaros, a certidão do meu Bisavô.

Depois precisava achar a da minha bisavó, esta eu tinha a data, mas o pessoal do arquivo não localizou pois ela estava com nome diferente. Isso é um problema, esses registros geralmente tem nomes diferentes, por exemplo, minha avó tem três nome, um em cada documento, em uma é Maria Paulina, noutro é Paula, e em um terceiro, Paulina. Fica complicado né?
O óbito dela foi em 1929, e a certidão foi preenchida manualmente, horrível de ler.

Aí, encontrei o documento e pedi para eles providenciarem a cópia, no dia seguinte pude ir buscar. Facinho, facinho, e nem lembrava mais do pânico daquela pilha de livros cheios de ácaros.

Mais detalhes sobre o Arquivo Público no post: Onde conseguir documentos: Arquivo Público

Nenhum comentário:

Postar um comentário